Palestra “Protótipo de uma Start-Up Social”

Palestra “Protótipo de uma Start-Up Social”

 

A palestra “Protótipo de uma Start-Up Social” é derivada dos estudos:

Uma inovação social deve ser vista como um eterno protótipo.

Criando um protótipo para diferentes prismas sociais

Você deve distorcer a realidade de tal maneira que a existência de um produto convirja na sua existência como um MVP (Minimun Viable Product)e na existência com um público manipulado.

A Palestra

Bom diw a todos, meu nome é Pedro Colombo. Primeiramente, quero agradecer a todos pela oportunidade de conversar com a próxima geração da faculdade onde me formei em 2013.

Todo mundo sabe que a realidade é absoluta mas nossa percepção dela é relativa. Por exemplo, um copo com água pela metade sempre será um copo com água pela metade. Mas para um pessimista, é um copo meio vazio. Já para um otimista, é um copo meio cheio. Para mim, que sou engenheiro químico, o copo tem uma margem de segurança de 100%.copo com água pela metade

Nossa percepção filtra a realidade e pode nos enganar, nos levando a decisões ruins. Tanto na vida pessoal quanto na profissional. Por exemplo, quando eu sofri o AVC em 2014, acordei preso no meu próprio corpo paralisado e quase ceg
e durante meses fiquei deprimido me perguntando porquê eu continuei vivo se minha vida nunca mais seria a mesma.

Pensar no passado fora do meu controle foi uma decisão ruim causada por uma percepção negativa da realidade. Já faz um tempo que eu tomei uma decisão melhor: trazer mais qualidade de vida e bem-estar para pessoas com restrições, como eu próprio, através da tecnologia. E para fazer isso, fundei uma startup social, a InCloude. InCloude é Cloud mais Include, ou, em português, nuvem e incluir.

Eu sempre fui apaixonado por tecnologia. Tenho experiência com isso, então para mim é fácil trabalhar nisso. Consigo me sustentar com isso. E o mundo precisa disso. Os japoneses resumem estas 4 condições numa única palavra: IKIGAI, que significa razão para viver e já virou até metodologia de administração de empresas. Essa é uma percepção positiva da mesma realidade que antes me deixava deprimido! Vejam: uma realidade, duas percepções.

O público-alvo da InCloude são as pessoas que mais precisam de convívio social e também as que menos têm. Ao mesmo tempo em que essas pessoas dependem dos seus amigos e familiares às vezes até para ir no banheiro, têm menos contato com eles porque a comunicação e a locomoção são mais difíceis.

A mesma tecnologia que está fazendo os jovens perderem as expressões faciais por ser mais cômoda e segura que uma conversa presencial pode ajudar a reduzir a diferença entre o cotidiano das pessoas com restrições e os das pessoas próximas. De novo: uma realidade, duas percepções.

E como nós separamos a realidade objetiva da nossa percepção subjetiva? Usando o método científico. Um prot

 

ótipo é um teste de um produto ou de um processo, usando o método científico. E a prototipagem é o processo de fazer vários protótipos iterativamente, numa sequência racional para atingir um objetivo.

É exatamente por isso que um protótipo não é uma versão inacabada do produto ou processo final. Primeiro porque se sabemos como será o produto final não precisamos do protótipo.

E segundo porque o protótipo deve ser o mais simples possível para analisarmos uma coisa de cada vez. Por exemplo, um protóti
po de software é um programa com o mínimo de código possível que implementa somente a parte que se deseja testar naquela iteração do desenvolvimento.

 

Analogamente, uma startup também não é uma miniatura de uma empresa final. E sim a prototipagem de um modelo de negócios. Dentro dessa prototipagem há o desenvolvimento de pelo menos um produto comercial. Esse desenvolvimento também é uma prototipagem, mas de uma solução para um problema, necessidade ou desejo de muitas pessoas dispostas a pagar por ela.

Uma das iterações da InCloude foi uma empresa de RH. Outra foi de produtora de conteúdo digital. A mais recente é de tecnologia aplicada ao setor de wellness, que ainda não tem um nome em português mas é a evolução do setor de saúde. Alguns chamam de setor de bem-estar, outros de qualidade de vida.

O primeiro produto da InCloude se chama TerApp. Na verdade é uma solução que envolve tanto produtos quanto serviços. O TerApp é um sistema digital de veiculação e acompanhamento de tratamentos e terapias, tendo interfaces tanto para os pacientes quanto para os profissionais de saúde que os atendem. Fica mais fácil de entender com o exemplo prático do aplicativo Fala Pra Mim.

O Fala Pra Mim é o primeiro módulo do TerApp. Ele mostra listas de palavras e frases no celular do paciente. O paciente lê, o sistema de reconhecimento de voz avalia a pronúncia e dá uma pontuação. O paciente acompanha sua própria evolução no app. Então o Fala Pra Mim é um jogo que instiga quem está aprendendo ou reaprendendo a falar em português a praticar em casa, que é onde realmente o tratamento acontece. Numa sessão de fonoaudiologia de 1h por semana o profissional consegue no máximo orientar o tratamento.

O fonoaudiólogo que trata esse paciente acessa um website onde pode personalizar os exercícios para cada paciente, acompanhar o histórico de cada um e medir a evolução bem como o engajamento de cada um. Tudo quantificado de maneira objetiva e com registros padronizados e automatizados, o que também facilita muito a gestão. Hoje em dia muitos profissionais ainda usam fichas de papel! Imagine fazer uma pesquisa nesses registros depois de 5 anos?

E nós da InCloude usamos essa crescente base de dados e metadados para gerar inteligência. No caso do Fala Pra Mim, um exemplo disso é descobrir quais são os exercícios mais eficientes para cada perfil de paciente. A base também pode ser usada depois para facilitar e melhorar diagnósticos. E também para identificar e promover os melhores fonoaudiólogos. Assim, o Fala Pra Mim é um protótipo que testa a parte de coleta de ALGUNS dados para data mining do TerApp.

Mas antes deste protótipo teve muitos outros, de outras partes do sistema TerApp. Por exemplo, várias iterações de dois aplicativos para Android: o SocialIn e o MidIn. O MidIn era uma interface para redes sociais como o Facebook, e testava duas coisas: conectar o TerApp a essas redes sociais e como fazer uma interface gráfica de uma rede social para usuários com dificuldades motoras e visuais.

O SocialIn era um teste de como fazer a comunicação de dados entre partes do TerApp. Era uma rede social interna, que funciona como um canal direto de comunicação entre pacientes e profissionais da saúde. Na parte técnica, este protótipo testou por exemplo os protocolos XML e JSON para armazenar e transmitir o conteúdo das mensagens.

O nosso próximo passo é lançar o Fala Pra Mim para vários pacientes e fonoaudiólogos usarem. Isso é funcionará como um protótipo do TerApp, primeiro testando apenas funcionalidades e implementações técnicas do sistema e depois testando alternativas de monetização. Ou seja, será uma pesquisa técnica junto com uma pesquisa de mercado. Com isso, vamos conhecer melhor a realidade tanto do potencial deste nosso primeiro produto quanto do mercado.

Para isso precisamos de pessoas para trabalhar conosco. Tanto na área técnica quanto no marketing. Nossa organização é horizontal, o que significa que não nos importamos com o nome do cargo e sim com a qualidade do trabalho. Tiramos boas ideias do papel. Como dizia Steve Jobs:

Contratamos pessoas que querem fazer as melhores coisas do mundo

E a nossa estratégia de transparência, confiança e valorização de relacionamentos duradouros vale tanto para os clientes quanto para nosso pessoal. Por isso, quem fica mais de 1 ano conosco entra na divisão dos lucros.

[purchase_link id=”1284″ text=”Faça o Download!” style=”button”]

2018-06-04T15:14:12+00:00

THE CLOUD IS IN OUR DNA

Entre em Contato